Em sua visita ao Japão a secretária de estado norte-americano, Hillary Clinton, assinou um tratado interessante. Dos 40.000 soldados americanos lá instalados serão retirados 8.000 que irão para a ilha de Guam, que é dos EUA.

Esses soldados deverão sair de Okinawa, onde a maioria dos marines estão instalados, até 2014. E, o interessante é que os japoneses ainda vão "contribuir" com US$ 6 bilhões nessa operação.

Juro que não entendo essa "lógica" de manter bases militares em outros países. Há diversos casos de estupros e afins feitos por esses soldados americanos (gostaria muito de saber se algum já foi punido ou levado a julgamento no Japão) e, claro, há reclamações de toda baderna por lá. Se alguém souber a lógica de, além desses problemas, ter de bancar com o dinheiro do contribuinte japonês, por favor, me explique!

Comments (2)

On 1 de março de 2009 11:49 , apb disse...

O absurdo é que a negociação chega ao ponto do Japão ajudar a financiar essa saída. OK, imagino que seja tão interessante para eles que valha a pena até pagar. De qualquer forma, haja resignação!

 
On 1 de março de 2009 13:53 , Luiz Barretto disse...

Também acho uma forma de resignação, mas também não conheço tão a fundo o "contrato" pós-guerra feito pelos países. Não é tão simples quanto pode parecer, mas também não passa uma boa impressão isso tudo.